O Mapa do sabores da língua é um mito desde 1974

É incrível como as pessoas podemos dar por sentadas certas coisas, mesmo quando sua refutação encontra-se a 5 minutos e 3 segundos de distância.

De onde vem o mito do mapa de sabores?
Há mais de um século, em 1901, Hanig, um cientista alemão concluiu em um estudo que a sensibilidade a diferentes sabores da língua varia por lugares. Poderíamos dizer que é a origem de o típico mapa de sabores que se deu a conhecer em todas as nossas escolas, institutos e universidades.

Mapa de sabores da língua. Fonte: xatakaciencia

Verifiquem vocês mesmos se essa conclusão se justifica a criação de um mapa semelhante. Este pequeno “descoberta” da informação se foi confundindo em muitos sentidos, a partir de abordagens mais prudentes do que simplesmente dizia que ‘havia mais concentração de papilas gustativas, nesse ponto, até que as papilas dessas posições ‘só podiam detectar o sabor’.

Curiosamente, este tema vem muito a colação de um post recente, o são suficientes as justificativas da dieta paleo?, e é que o seu próprio mapa de sabores era justificado do ponto de vista do utilitarismo evolutivo, que muitas vezes nos diz que ‘estamos destinados a’, ou que certas coisas em nosso corpo respondem a “motivos”, e não evolução. Quase roçando o design inteligente.

Com esta mesma premissa, chegou-se a explicar o mapa da seguinte forma:

Estas eram, entre outras, as argumentações que davam para explicar, (curiosamente nunca encontrei um motivo para o ácido e o salgado), e é que, sinceramente, corremos o risco de interpretar a vontade da evolução”, quando é algo que realmente não existe como tal. Como respondem as tradições culturais e elementos “úteis”? Depende.

Quando se desmente? (Embora não fazia falta)
Foi mais tarde, quando em um estudo de 1974, de Virginia Collins confirmou que o mapa em si é um mito, é verdade que há diferenças de recepção de sabores na língua, mas não seguem um padrão específico para as pessoas e as diferenças são pequenas e pouco consistentes.

Curiosamente, todas e cada uma de nossas papilas gustativas são capazes de detectar todos os sabores, por isso que as pequenas diferenças respondem mais às variações mínimas na sensibilidade.

Papila gustativa. Fonte: vintagecellars

Você pode ver em vossa própria casa e com pessoas diferentes como a distribuição não é homogênea, nem responde a um padrão específico. Lembro-me de como com os meus companheiros de classe fallábamos em experimentos de fisiologia e não dava nem mesmo mapa, nem muito menos parecido com o original. E isso, apesar da sugestão que pode produzir um experimento que se tenta demonstrar um dogma. Não nos esqueçamos de que a influência psicológica que tem o sentido do paladar é enorme.

Passaram mais de 100 anos a partir de uma conclusão muito aberta, que não justificava esse mapa, e quase 40 desde que desmontara do todo. Hoje, em 2015, as pessoas na rua continua crendo nele, e o pior de tudo, de saúde e de profissionais destes ramos científicas continuam aprendiéndolo como um dogma. Por que agora? Pessoalmente me vejo obrigado a escrever este tópico, enquanto futuras gerações são examinados do mesmo.

Se você gostou compartilhe e divulgue!…

O dia que a Nutrição foi uma maré

Há momentos que passam para a história. A história não se escreve só ela, desde que a escrevemos as pessoas.

Podemos dizer que há momentos em que acontecem pontos de inflexão. Em 10 de maio foi um desses dias: Uma manifestação organizada a partir da base da preocupação centrada no serviço e atendimento dietético para a cidadania, chamava a mobilização em frente ao Ministério da Saúde de nosso país.

Foto #SanidadDesnutrida (Imagem: Oscar Picasso)

Nós fizemos história, fizemos abacaxi, fizemos profissão, e quem não quis, não estava.
Não reclamo de nenhuma humilhação pública, nem um escárnio, nem um desses escraches nutricionais que muitas vezes convido a fazer a empresas, produtos e instituições que não cumprem com o seu compromisso.

Não usarei este evento para esfregar e apontar o que não foi. Não peço castigo, só desejo que a passividade tenha a amarga sensação de estar no sofá e tivesse em algum momento um nó no estômago pensando “eu deveria estar lá”.

Tenho dito muitas vezes que, se não a divulgamos nos vão divulgar (falando da Nutrição), e quero acrescentar que, se não a reivindicar, nos vão reivindicar; e me refiro a outros coletivos.

Quem quis pensar, a título individual ou coletivo, que isso não estava andando, quando correspondia ou como correspondia, que você continue pensando. Mas que se olhe em seu interior se isso justificava o ficar em casa.

Eu, pessoalmente, o cenário era claro: o momento foi no domingo passado, as reivindicações justas, mas o que há do organizador? será que era certo?
Talvez não o mais oficial. Mas talvez o que não teve reparo para fazê-lo, e talvez o que sempre fez, sem se sentir preso a nada.

Mas o post não é isso. Vai de uma satisfação, é uma vitória. A vitória de crer-nos melhores do que pensávamos, uma injeção de motivação para uma profissão que às vezes é percebido como individualista e que cada um faz a guerra por sua conta.

Saúde Desnutrida chegando a Cibele (Imagem: Fernando Sanches)

O que, sem dúvida, foi visto em o resultado é um fato: O sucesso é o reflexo fiel de que isso nada tem sido precipitado, nem feito de ânimo leve, nem sem planejar o suficiente. Espelho em diferentes meios: A Sexta, EuropaPress, Rádio Nacional e até mesmo internacional.

Vos sou sincero, eu egoisticamente que eu precisava. Precisava de saber que havia pessoas em suas casas, que esperava isso. Precisava ver que existem pessoas que você pode gastar seu dinheiro em vir para protestar contra uma manhã o que você acha que é justo. Precisava de saber que além de Redes Sociais, existem pessoas com suficiente empenho, valores e ambição para me fazer ver que somos uma profissão de grande porte.

O trabalho que levou planejar esta manifestação tem sido enorme. E só as pessoas que vimos isso de perto, podemos fazer uma mínima idéia. Não gosto de falar de personalismos, porque as verdadeiras satisfações são usados por dentro, mas isso vai para a comissão manifa:

Não vai de focos sobre algumas pessoas, porque isso não vai de egos. De fato, as intervenções têm sido muito diversificadas para que não se associe a ninguém. As comunicações foram acéfalas, tanto de Luis, Bárbara como servidor. Somos verderamente conscientes que encerra algo assim.

Graças, sobretudo, a Bárbara por ter se multiplicado, e graças Luka por priorizar o que muita gente não faria em uma situação semelhante. Graças a Lúcia por como és, e fazer-nos ser melhores. E obrigado JJ, pela sua humildade e pelo que toca agora no futuro. Obrigado a toda a equipe de DSP por ser a vanguarda que criou isto: O dia em que a Nutrição se tornou Maré Branca.

O que eu disse no encerramento das #JornadasDSP. Tenho visto em algumas pessoas, colegas de profissão, o que só tinha visto na minha dedicação como voluntário.

A excelência do que falava na sessão do código de ética profissional. A profissão faz-se atuando de maneira exemplar. As horas, os desgostos, o esforço, a ilusão atirado em todo este projeto é o que lhe dá valor.

Saúde Desnutrida chegando a Sol (Imagem: Fernando Sanches)

Qual é este projeto? Não tem nome, não se chama Dietética sem Patrocinadores, não é #JornadasDSP, não é #SanidadDesnutrida. É esse algo que sabeis que está mudando. É difícil descrever mudanças de paradigma, é difícil fazer compreender que as regras do jogo às vezes se mudam, mesmo que não estejam escritas.

A gente não sabe muito bem o que está mudando, mas está mudando:

O associativismo universitário se torna forte. Com uma FEDNU enorme, que é às vezes o que dá lições aos “adultos”.

Pessoas que pensavam que os Técnicos Superiores em Dietética eram o inimigo, e talvez agora o vêem diferente.

Haverá pessoas que tinham em mente que as coisas não poderiam fazer de forma diferente, que não se pode entrar a participar de uma entidade porque sim. E DSP vai jogar como quiser a gente.

Eu não sei sabe o que… mas algo está mudando.

Que bonito vai ser limitado a fazer o que ela quer da gente. Que tranquilidade de consciência aberto, somar, participar… dizemos em ASDE isso de que “se aprende A participar, participando”. Que prazer poder ser um pouco scout em minha profissão!

Tenho visto como o altruísmo continua dando lições de como fazer coisas para abordagens puramente profissionais.

Eu vi lutar para muitos David, contra o nosso Golias de mentiras e manipulação. E ver como se consegue que a gente abra os olhos, veja que a propaganda engana, que a Indústria muitas vezes marca as regras do jogo, e isso é inadmissível, se estivermos preocupados com o bem-estar da população.

Porque no dia que meus filhos me perguntam onde estava o 15M lhe dizer que eu estive lá!!!: Que passei a noite com amigos e desconhecidos. Que reivindiqué não só na rua, mas com cada ato, o que sempre acreditei justo.

Porque o dia que as futuras gerações de Nutricionistas-Nutricionistas-me perguntem onde eu estava, nesse dia, lhes possa dizer, eu estava lá mesmo!: acenando para pessoas que nunca tinha visto, bebendo água de garrafas de desconhecidos, abraçando meus colegas de profissão.

Aqueles que um dia deixaram de ser negação, e se tornaram amigos.

Porque a resposta era simples, e não havia outro lugar melhor onde quisesse estar nesse dia.

Não havia motivo para ficar em casa.

Equipa de gestão de DSP até a sua organização (Oscar, José, Lúcia, JJ, Bárbara, Carlos Afonso, Carlos, Paulo, João, Nuno, Luis, Paloma e Marc). Faltam-Nos na foto Carlos e Virgínia.

Se você gostou compartilhe e divulgue!…

Educação Alimentar não-formal (O Movimento Escoteiro)

Advirto a possibilidade de que esta seja uma das entradas que sai de mim, dessas que não têm roteiro, como motivação universitária, mas você sabe que você vai ficar satisfeito com o resultado saia o que sair, porque você vai estar feliz consigo mesmo.

Esta entrada fala de Educação Alimentar e para a Saúde, mas não aquela que é feita no horário de aulas nos institutos, não é essa que consiste em horas livres de classe em que se recorre à conversa ou palavreado, mas de intervenções mais complexas: no âmbito extraescolar, onde as protagonistas são a infância e a adolescência, e muito muito muito transversais.

Espero que o coletivo de Nutricionistas-Nutricionistas e educadores consigam tirar utilidade a este post, talvez não seja para estabelecer uma intervenção nova e milagrosa, mas sim para entender melhor como se desenvolvem os hábitos das pessoas.

Folder de trabalho (8-11 anos)

Para introduzir o tema, eu vou ser muito ríspido com uma realidade que várias resenhas de Educação Alimentar mostraram, aqui e em outros países: As conversas diretas para as crianças e adolescentes, servem para muito pouco. Espero que os fãs de bate-papo e quadro de não-me medo; ainda que estas intervenções possam ter um claro impacto no conhecimento, aquelas que realmente são transformadoras de hábitos saudáveis são as “multicomponent interventions” escola + família + extraescolar.

As palestras não são transformadoras, como não o é a informação por si só. Porque tão inútil é dizer “come maçãs”, que vive em uma casa em que não há prato; como induzir a familia que imponha aos jovens hábitos distantes de sua realidade. Resultado: FRACASSO.

Não trago nesta postagem nenhuma fórmula mágica, nem solução educacional para todos os problemas de saúde, mas sim que quero refletir com quem leia agora estas linhas.

Eu tenho que explicar o porquê de falar do método escoteiro: último e doloroso para mim, aponto que as pessoas que fazem parte dos grupos de escotismo, realizadas de forma contínua durante o ano de muitas atividades no meio natural e urbano, centradas em diferentes âmbitos educativos e, partindo de suas preocupações e interesses.

Isso é interessante para a saúde por dois motivos:
O fundo: A Educação para a Saúde é um domínio de si mesmo, onde se ensina alimentação saudável, prevenção de drogodependencias, educação afetivo-sexual, saúde mental, higiene e hábitos saudáveis.
O meio: A metodologia envolve muitas saídas e atividades bastante movimentadas e em contato com outras pessoas de sua idade, em um ambiente de voluntariado e responsabilidade social.

Isso que tão lindo é, sobre o papel e na teoria, tem mais repercussão prática do que parece.
Desde que eu comecei a gostar disso a Saúde Pública e a Nutrição Comunitária, diagnosticado institivamente a ojímetro o peso das pessoas de nossos grupos; sempre observava que havia menos prevalência de excesso de peso/obesidade do que na população normal (os jovens, os adultos se me saíam da norma). Eu pensei que poderia ser por acaso, que não seria representativo, que não passaria em mais grupos… o bichinho me aproximou de consultar outros grupos que trabalham com a Educação para a Saúde em seus planos de ensino, inclusive de outras comunidades, e as proporções se mantiveram.

É mais, não só encontrávamos melhor peso e melhor estado nutricional, também melhores hábitos alimentares, menos horas em frente ao computador/TV e, além disso, mais tempo de esporte.

Agora, a pergunta pesquisadora era clara: “Obviamente, é um coletivo enviesado, os meninos e meninas de um grupo escoteiro, serão diferentes do resto em mais coisas” Correto

Obviamente, não se pode fazer um ensaio clínico aleatório, duplo-cego com isso, mas sim que nós começamos a valorizar os hábitos de seus amigos de classe e de seu ambiente imediato, ao que parece, a única variável que temos de diferente nesta ocasião é “ser escoteiro”.

Os resultados foram bons, de fato acho que tiveram mais impacto no meu ambiente profissional que meu ambiente de scout. Provavelmente por minha culpa.
Sempre me deu vergonha de chegar a outros chefes desconhecidos e mostrar isso, (pode ser que alguns que estão lendo pela primeira vez); sei que a nossa construção do pensamento nos levaria diretamente a pensar nestas pessoas com excesso de peso de nossos grupos, nessas vezes que se levam comida pouco adequada aos campos, esses dias de excursão que não fazemos a melhor dieta possível… A mim também me vêm à cabeça momentos em que as famílias e os educadores não dão o melhor exemplo. E o quão fácil é pensar “o que é, Mas como eles vão estar mais saudáveis?!”

Há que ser claramente consciente de que estes resultados não se devem exclusivamente às sessões de Educação para a Saúde, nem para os menus dos acampamentos. A causa não é apenas essa.

Ao igual que a nossa atitude ao volante não é apenas o resultado de campanhas de Educação no Trânsito, mas de uma multidão de componentes de nosso comportamento. Como nossa atitude frente ao impacto ambiental não é apenas fruto de nossas oficinas e atividades.

As transformações na nossa maneira de ver o mundo não se devem apenas às sessões específicas que nos deram sobre o assunto. Estamos falando de uma educação muito transversal. O escotismo procura fazer “melhores cidadãos” pessoas mais críticas, mais participativas, mais úteis cívicamente.

* Uma intervenção complejísima, cerca de 25 reuniões semanais por ano, uma média de 4 saídas e acampamentos ao ar livre, atividade física, cerca de 9% das refeições de um ano com os seus professores e colegas. São 800h ao ano de convivência recebendo educação em valores, a pluralidade e no espírito crítico!
Se fomenta o exercício (não só de boca, mas que se faz), se não fosse por este tipo de atividades extra-classe, alguns jovens não teriam cozido nunca, nem teriam lavagem nunca um prato ou uma vasilha, é possível que não tivessem recorrido a um mercado comprar nem se teriam preocupado com a possibilidade de preencher um cantil em sua mochila. Se não fosse por nossos caminhos, os nossos jogos, nossos acampamentos quanto exercício restaríamos para as crianças?

Porventura nos surpreso de saber que um alto percentual de escoteiros fazem parte de espaços de participação cidadã? Ou será que têm menos acidentes de trânsito? Ou será que reciclamos mais? O Que nós somos mais críticos?

Os resultados deste grupo são melhores que o do resto dos espanhóis.
Eu me pergunto POR QUE NOS DEVERIA SURPREENDER?

Mas… E se começamos a ter consciência das características de uma intervenção transformadora?
E se nos damos conta de que as conversas só, não servem para nada?
E se vemos que um educador não formal é capaz de detectar problemas de saúde que não estão em casa ou na escola?
E se um educador extraescolar é a peça chave para motivar os jovens para uma mudança em sua atitude?

Sobre os estudos nos mostram que todos os ambientes devem estar coordenados para conseguir mais força transformadora. Da próxima vez que atuaremos, seja como educadores ou profissionais de saúde, lembre-se quão complexas são as nossas ações; não desistir nossas reuniões/sessões de nada, integrémoslas em um todo.

A transformação que algumas pessoas sofrem dia-a-dia, 30 milhões de pessoas em todo o mundo, este ambiente que nos faz pessoas melhores e lutar por nossas aventuras e projetos. Você pode lutar pelo que se quer, até mesmo misturar suas paixões e sonhar que a sua tese seja o que você quiser.

Pode ser que não seja um especialista da Educação Alimentar, mas sim que eu sou apaixonado por ela. Sou inocente de fazer isso, a culpa têm os educadores, professores, psicólogos, psicopedagoga e professores que me acompanharam durante toda a minha vida.

Parte dos voluntários “culpados”

Referências:

Sanchez-Garcia, A. (2012) “Educação nutricional como a promoção de hábitos alimentares saudáveis e prevenção da obesidade” Nutr Hosp. 2012; 27(supl 1): 38-9.
Sanchez-Garcia, A. (2012) “Avaliação do impacto das intervenções isoladas de educação nutricional na infância e adolescência” Nutr. Clin. Diet. Hosp. 2012; 32(supl. 1): 54.
Sanchez-Garcia, A. (2012) “Características das intervenções de educação nutricional que predispõem à mudança de hábitos alimentares de jovens e adolescentes”, Nutr. Clin. Diet. Hosp. 2012; 32(supl. 1): 54.
Sanchez-Garcia, A. (2011) “o Envolvimento da educação nutricional nos hábitos de consumo alimentar e o estado nutricional” Nutr. Clin. Diet. Hosp. 2011; 31(supl. 1): 72.
Esta entrada participa no I Carnaval de Nutrição que organiza este mesmo blog.

Os desenhos correspondem ao material gráfico da Série Metodológica Federal de ASDE-Escoteiros de Portugal 2009, pode consultar as suas publicações aqui.

Se você gostou compartilhe e divulgue!…

Donuts y Mr Wonderful, llega la obesidad buenrollera

 17 de março, em 2016 22:13

Olá Branca,
Sem ofensa, eu acho que não é consciente do mundo em que vivemos, do ambiente que nos rodeia. Se expor o porquê. O Demonizar um produto de pastelaria te parece radical? Me parece radical-mente ingênuo pretender que a população siga uma alimentação saudável, se somos desleixados com a nossa mensagem para esta série de produtos açucarados. E sim, é parcial das coisas, mas a posição que você defende, porventura, não é?. Você não está levando em conta que atualmente grande parte da população tem poucos recursos económicos mais baixos, e que o ter ao alcance deste tipo de produtos, a um preço de riso, não ajuda. Você não está levando em conta que cada vez que saímos à rua, que vemos na tv, ouvimos rádio, ou mesmo que lemos uma revista, aparecem anúncios, anúncios, que nos convidam a comer, e não apenas um par de peças de fruta. E, acima de todas as coisas, há algo que você não está levando em conta, e são as taxas de sobrepeso e obesidade (não só adultos, mas crianças) que temos atualmente. Que a obesidade é um problema real e não queremos nos dar conta, leñes!
O das causas de caridade que você faça, em seguida, me lembra as campanhas da Coca-Cola ou Mc Donalds com diferentes ONG’S, mostrando o quão comprometidas que estão com a população. Porque a Coca-Cola, não vende refrigerantes, você VENDE FELICIDADE! E A BOA E PARA SEMPRE!… Ou assim dizem seus maravilhosos anúncios desenvolvidos por grandes mentes de anunciantes, cujo único fim é o de zelar pela saúde das pessoas. Óbvio. Só se esqueça de dizer que vendem açúcar engarrafada e que cada botecito que te bebês se aproxima um pouco mais com a diabetes e a parecer ao cuñá (Anexo foto: https://i.ytimg.com/vi/J1dDR1CpiZ4/hqdefault.jpg).

Sigo. O Que o comentário de João não é muito justo? O que é justo? É justo que nos vendam sensações/emoções/sentimentos, enquanto nos estão cerveja pela porta de trás, quilos e de doenças crônicas? É justo que aquela parte da população que não tem recursos suficientes económicos, tenha de prescindir de frutas, verduras, legumes, frutos secos, entre outros, porque eles têm um preço que toca o absurdo, enquanto que produtos do tipo Donuts, Biscoitos, Bollycaos, são vendidos no plano “barganha”? É justo que a metade da população mundial tenha problemas de fome e a outra metade tenha problemas de excesso, devido a esses produtos (tão inofensivos que você diz)? É justo que algumas associações de profissionais de saúde se prestem a colaborar com produtos, em lugar de promover o consumo de alimentos (mas tudo sem nenhum tipo de interesse económico, primum non nocere e essas coisas)? Eu acho que muitas injustiças no mundo (não só na alimentação, mas em geral), para que venhas a dizer que não é justa uma denúncia que pretende punir e/ou chamar a atenção para aquelas empresas que são mais visíveis e que podem ajudar um pouco, em vez de complicar (ainda mais) o assunto. E não, muitas vezes não se pode escolher, muitas vezes, se você é uma mãe que tem x dinheiro e você tem que alimentar 4 crianças, e vê um bolo que é respaldado pela Sociedade X x profissional de saúde (cuja ética se aproximam da zona profunda do water), e ainda por cima, barato (mais do que uns frutos secos, com CERTEZA), e que lhe vai agradar a seus filhos (porque lhes vai gostar, porque eles são feitos para gostar, não para alimentar/nutrição (deixando de lado as definições específicas de tais termos) e que, além disso, não se vírgula um, mas vários.), antes que se queira pares para pensar, você já terá escolhido. Isso não é liberdade, não se engane. A liberdade é algo abstrato, que todos nós acreditamos ter mas ninguém se livra de perder suas experiências/opiniões/contexto/situações. Tudo o que nos rodeia condiciona a nossa liberdade, e um mundo mercantilizado somado a um ambiente obesógenico, como o que vivemos, não dá lugar a essa liberdade., e muito menos quando falamos de CRIANÇAS ou PAIS que, em busca de dar o melhor para seus filhos, se agarram ao que os meios de comunicação (osease, a INDÚSTRIA de ALIMENTOS) lhes foi ensinado. “Tem que comer de tudo”, “Moderação” (Os quais você mesma coloca sobre o pano, Matrícula dicas pro-indústria, Panrico estaria orgulhosa de sua mensagem.). Estas dicas não seguem a realidade. E não, não tem que comer de tudo. MERDA EMPACOTADA NÃO HÁ QUE COMER, PRODUTOS ULTRAPROCESADOS NÃO HÁ QUE COMER, NEM COM NEM SEM MODERAÇÃO. NÃO E NÃO. E não, os donuts não são armas nucleares, mas dizer que “comer de tudo em excesso é prejudicial”, também não é o Santo Graal.
Uma saudação.…

Divirta-se com as divulgações que você quer, mas com o Congresso de Aniversários ADINU

Quando acaba um Congresso de verdade foi bom te preenche uma espécie de vazio existencial, geralmente, para que se dê esta situação deve haver algo mais além das palestras e o próprio conteúdo.

Cartaz Congresso X Aniversário ADINU

Depois de assistir e participar de um punhado de congressos é bastante apelativo, que o que mais me sempre divertido e mantido acordado é um preparado e organizado por estudantes universitários o acaso? Eu acho que não. O motivo eu acho que reside uma das questões que tratamos na Mesa Redonda de Divulgação na Alimentação, o Nutricionista-Nutricionista 2.0, pois pessoalmente para assinar o serviço que marca muito mais a metodologia de COMO se transmite o QUE se transmite, se, além disso, ambos os fatores estão de mãos dadas, impecável.

E é inquestionável que a proximidade tem sido inerente a todo o evento, desde a humildade de organização por parte de Adinu Valencia, que têm enfrentado limitações e problemas que não conseguiram com suas ambições; até o exemplar mensagem que se lança a partir dos palestrantes: o serviço como um exemplo para os jovens, demonstrando que as prioridades de cada pessoa podem marcar um estilo, um estilo que pode e deve ser também o da profissão.

Profissão que tem vivido um ambiente humano, o atendimento foi excelente e o sabor que fica na boca é excepcional, tanto que parece que estou escrevendo uma crítica gastronômica no lugar de um encontro científico.

Entrando no conteúdo do Congresso ficaram três grandes preocupações refletidas a partir da juventude de Nutricionistas-Nutricionistas: O que se transmite de nossa disciplina (divulgação), as perspectivas de emprego e a profissão. Um verdadeiro prazer compartilhar mesa com representantes da divulgação científica e alimentar de nosso país, e para desfrutar de outras excelentes trabalhos, tanto dos colegas de sessão como de outras temáticas.

Mesa Redonda: Divulgação na Alimentação (J. M Mulet, Papyrus, João Silva, João Revenga. Modera Luis Cabanas)

Só posso somar o meu humilde contributo para as que partilharam os palestrantes: o “Continua remando” de João, o “Não tenhais medo” de Giussepe ou “Tudo o que não é dado é perdido” de Julho.
Repetirei mais uma vez três coisas que eu vejo fundamentais:

Se não a divulgamos nós, que nos vão divulgar.
Divulgad como mais gostares, mas divulgad.
Fazei e ponde com o Escrache Nutricional.
Não posso mais que reiterar os meus mais sinceros parabéns à Organização, e não apenas Adinu Valência, também a Adinu Saragoça, Adinu Granada e Adinu Castela e Leão, por inchar a quilômetros e a ilusão. É um prazer ver que a juventude da profissão vem com carrerilla e que nos permitirá chegar ainda mais longe.

A próxima geração de Nutricionistas-Nutricionistas de ADINUs ao encerrar o Congresso.

Sem dúvida, estamos em ombros de gigantes, mas que virá nos tornarão ainda maiores.

A nível pessoal, queria destaca-se que foi um prazer voltar a encontrar-me com o João Revenga e J. M Mulet, compartilhar boas conversas com Papyrus de Gomas de Petróleo, Luis J. Moran, Giuseppe e Julho Basulto, os antigos colegas da UA como Josemi ou descobrir que com a Ana e Adinu Granada nos será mais fácil fazer força e tentar mudar a educação universitária que nos rodeia.

Espero poder ter à disposição, no futuro, algumas das palestras para poder revivirlas e reduzidas nos momentos em que precisamos.

Que você tenha uma saudável e feliz divulgação.

PS: Todo o prazer em dedicar este post número 100 para a juventude e o futuro da profissão.

Se você gostou compartilhe e divulgue!…

Doença cardiovascular: risco, prevenção e tratamento

Fatores de risco

Os fatores de risco que podem causar o início da aterosclerose são:

  • Dislipemia ou alteração dos lipídios no sangue (LDL elevado, HDL baixo, triglicéridos altos)
  • Hipertensão
  • Tabagismo
  • Diabetes
  • Obesidade
  • Hiperhomocisteinemia
  • Dietas ricas em gorduras e colesterol

doença cardiovascular

Doença cardiovascular

Níveis de colesterol HDL (o bom colesterol) alto, é um fator de risco negativo, isto é, diminui o risco de ECV.

As alterações arteriais se iniciam na infância e desenvolve-se durante a idade adulta. É uma doença silenciosa e a maioria das pessoas saberem quando ocorre o infarto ou o processo de isquemia.

Manter os níveis de lipídios no sangue: colesterol-LDL e triglicerídeos, baixo é fundamental. Uma redução do colesterol total de 10% reduz a incidência de doença coronariana em torno de 30%. É importante conhecer as frações de colesterol total, LDL e HDL, para estabelecer um bom diagnóstico.

O controle dos fatores de risco é a melhor maneira de prevenir o acidente cardiovascular, de forma que ter uma dieta cardiosaludable, fazer exercício físico, não fumar e controlar os lípidos no sangue e a hipertensão com medicação, se necessário, é o objetivo do tratamento preventivo.

Os fatores que aumentam o LDL são, o envelhecimento, a predisposição genética, níveis de estrogênio reduzidos (menopausa), entre outros. A dieta rica em gordura e a obesidade são fatores de risco que mais afetam a população atualmente.

A inatividade física é um fator de risco independente como a hipertensão ou o colesterol elevado. Realizar atividade física melhora o funcionamento do coração, reduz a aterogénesis, aumenta o colesterol bom, ou HDL, melhora a tolerância à glicose, ajuda a controlar o peso e reduz a hipertensão.

Existe uma relação positiva entre IMC (Índice de massa corporal, que é a relação entre os quilos e estatura) e o ECC, ao aumentar o IMC, ou seja, o peso, aumenta o risco de doença coronariana.

O tipo de distribuição da gordura corporal determina o risco. Uma distribuição de gordura central ou abdominal aumenta o risco cardiovascular. Recomenda-Se uma circunferência da cintura inferior a:

Perímetro abdominal máxima (cm)

Mulheres

89

Homens

102

As perdas de peso moderadas (4,5 a 9 Kg) podem melhorar o colesterol, da tolerância à glicose, reduzindo a inflamação e a pressão arterial, apesar de não se atingir um IMC ideal.

Como podemos reduzir o risco cardiovascular através da dieta?

Reduzindo as gorduras saturadas e gorduras trans:

  • As gorduras mais aterogénicas são os óleos de coco e de palma (o que na lista de ingredientes é indicado como “gorduras vegetais”), as gorduras animais e a manteiga ou gordura láctea.
  • As gorduras trans são produzidas durante o processo de hidrogenação de gorduras vegetais, e sua proporção depende da eficiência do processo de hidrogenação. As gorduras vegetais hidrogenadas são usados para aumentar a vida média dos produtos industrializados, como margarinas vegetais ou alimentos processados e aumentam o colesterol LDL.

Por isso deve consumir leite e derivados lácteos desnatados ou os queijos frescos em vez de curados. Evita a bolos e biscoitos com gorduras vegetais na sua rotulagem, busca que possuam, em seu lugar, como ingredientes, óleo de girassol ou azeite (são os óleos de uso mais comum em Portugal, mas também se pode usar o óleo de amendoim, colza, milho, entre outros).

Evita os alimentos embalados que indiquem este tipo de gordura em sua rotulagem. As coberturas de “chocolate” industriais não são mais do que gorduras vegetais saturadas com cacau, corantes e aromas. Leia no rótulo, a lista de ingredientes para ver a composição real destes produtos.

Consome carnes mais magras ou retirar a gordura visível e aumenta o consumo de peixe. Evita ou reduz o consumo de gordos, enchidos e queijos gordos.

Reduzindo o teor de gordura total da dieta:

A dieta não deve contribuir com mais de 30% da energia em forma de gordura. As dietas ricas em gorduras se relacionam com níveis mais elevados de lípidos no sangue. Utiliza diariamente entre 3 e 5 colheres de óleo por dia, racionalizar o seu uso.

O colesterol da dieta aumenta o colesterol total e o LDL, mas em menor grau que as gorduras saturadas. O nível em que o colesterol da dieta aumenta os níveis de colesterol no sangue e depende da susceptibilidade genética de cada pessoa. Assim, há pessoas cujos níveis aumentam com o aumento do colesterol dietético e outras em que não afeta.

Aumentando a proporção de gorduras mono e poli-insaturadas e w-3, em nossa dieta:

  • Consuma de preferência azeite de oliva. Use óleos para cozinhar em vez de manteigas ou margarinas.
  • Introduza na sua dieta das sementes: sementes de girassol ou abóbora, gergelim, linho. Oferecem gorduras insaturadas e gorduras w-3 e w-6.
  • Para obter gorduras w-3 na sua dieta, consuma peixe azul, 2 vezes por semana. As nozes e aveia contêm w-3 e também as sementes de soja e seus derivados (tofu, tempeh).

Aumentando a fibra solúvel e o conteúdo em antioxidantes da dieta:

  • Aumenta as porções de frutas e legumes, com um consumo diário de ambas. Escolha cereais integrais. As frutas e verduras são ricas em vitamina C, polifenóis e flavonóides, que têm propriedades antioxidantes.
  • Aumenta o consumo de fibras solúveis:Borrachas e produtos mucilaginosos: aveia, feijões (incluindo a soja), cevada, sementes de linho, goma guar.Pectinas: maçãs, morangos, cenouras, frutas cítricas (limão, laranja, tangerina, grapefruit, limão).
  • Consome frutos secos com moderação: 2-3 nozes por dia, por exemplo. A nozes te fornecem ácidos graxos insaturados w-3, fibras e vitamina E e fito nutrientes com potentes efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios. Consome os frutos secos sem sal ou frituras adicionadas, ou seja, torrados.

Endócrino em Barcelona. Antonio Mas Lorenzo, médico, nutricionista, endócrino de Alimmenta

Endócrino para a regulação da tireoide ou doenças da tiroide

endócrino tiróide

Tiróide

A tireoide é uma glândula em forma de borboleta localizada na parte central do pescoço. Produz os hormônios da tireoide: T4 ou tiroxina) e T3 ou, a enciclopédia livre. Esses hormônios desempenham um papel vital no crescimento, na regulação do metabolismo e na manutenção de grande parte das diferentes funções corporais. As alterações da tireoide são entre cinco e oito vezes mais freqüentes em mulheres do que em homens e a possibilidade de apresentar uma disfunção aumenta com a idade.

Se você está procurando um endócrino, em Barcelona, para regular a sua tiróide, entre em contato com Alimmenta.

Estudo da hipófise ou glândula pituitária

A hipófise é uma glândula situada na base do cérebro. Segrega hormonas que são encarregados de regular o funcionamento de outras glandulas endócrinas (tireóide, supra-renais e gônadas) também o hormônio antidiuretica, a hormana de crescimento e prolactina. Pode ocorrer um defeito na secreção de uma ou mais destas hormônios hipofisários, tanto por excesso como por defeito. A hipofisis pode ser lugar de adenomas (tumores benignos) que podem produzir um aumento da secrecion de uma ou várias hormonas (os mais freqüentes são os produtores de prolactina e hormônio do crescimento) ou ser não-mucosa normal.

Tratamento da diabetes

diabetes endócrino

Medidor de glicose

A diabetes é uma doença que implica um excesso de glicose circulante no sangue. Há vários tipos de diabetes, e as causas que a originam são diferentes. Os tipos mais frequentes na nossa sociedade são o diabetes tipo 2 e diabetes tipo 1. Além desses tipos de diabetes, nos encontramos com diabetes monogénicas (causada por defeitos em um gene específico), diabetes gestacional, diabetes de origem autoimmune em adultos, a diabetes por cirurgia pancreátrica, e outras. A diabetes mais comum é o tipo 2. Estima-Se que em torno de 10% da população sofre. Esta doença pode ser assintomática, e permanecer sem diagnóstico durante anos. Uma vez diagnosticada, é importante realizar um rigoroso controle em fases iniciais, já que existe uma “memória metabólica” e com isso se reduz o risco de complicações do diabetes a longo prazo. A hiperglicemia mantida produz um dano dos vasos sanguíneos e os nervos de órgãos e tecidos, como a retina, rim, coração, cérebro, pernas…

Endrocino para o tratamento da Síndrome do Ovário Policístico SOPQ

A síndrome do ovário policístico ou SOPQ é uma doença endocrinológica freqüente em mulheres em idade fértil. Os sintomas variam em cada paciente quanto à apresentação e gravidade. O mais frequente é apresentar alterações menstruais (ciclos superiors a 35 dias, menos de oito períodos do ano, ausência de menstruação por pelo menos quatro meses), como consequência de um excesso de androgenos (hormônio sexual caracteristicamente masculina, mas também presente nas mulheres) pode ocorrer um excesso de cabelo, corpo e rosto, acne, alopecia… e pode associar-se a presença de cistos nos ovaries. O seu diagnóstico requer a presença de pelo menos dois deles. Apresentar uma síndrome do ovário poliquistico aumenta a probabilidade de desenvolver diabetes tipo 2, hipertension, dislipemia (alterações no perfil dos lipidos), diabetes gestacional, câncer de endométrio… Tanto o tratamento farmacologico como mudanças nos hábitos de vida (aumento da atividade física, diminuição da gordura corporal..) têm um efeito benéfico sobre esta condição.

Tratamento do hirsutismo

Devido a um desequilíbrio hormonal na produção de hormônios femininos (estrogênio) e masculinos (andrógenos), pode ocorrer uma aparição excessiva de cabelo grosso e escuro em áreas onde as mulheres não têm pêlos. A regulação da produção hormonal do paciente pode corrigir esta anomalia.

Outras patologias

O endócrino tem um papel principal no tratamento de outras doenças, como a síndrome metabólica, problemas com o colesterol ou no tratamento da obesidade. Se você está procurando um endócrino recomendado em Barcelona, ligue para 93 218 95 32

Custo das consultas de endocrinologia

Endócrino em Barcelona Antonio Mais

Endócrino em Barcelona, Antonio Mais

O serviço de endocrinologia em Alimmenta não está coberto diretamente por nenhuma mútua ou de seguros. Se a sua apólice de saúde tem a opção de reembolso, você pode optar por essa modalidade. O custo da primeira consulta é de 60€. As seguintes consultas e revisões têm um custo de 60€.

Deficiência de Vitamina D

Procedência e metabolismo da Vitamina D

vitamina DHá duas fontes dietéticas de vitamina D:

  • a vitamina D3 ou colecalciferol, de origem animal e
  • a vitamina D2 ou ergocalciferol, que se obtém de forma artificial em vegetais e é usado para enriquecer alimentos

Mais de 90% da vitamina D proveniente da formação da pele graças à ação da radiação solar (raios UVB) é a forma da Vitamina D3, ela passa pelo fígado e o rim, e finalmente se transforma o hormônio ativo.

Funções da Vitamina D

Classicamente tem sido associado ao metabolismo do osso onde atua nas células encarregadas de sua formação através da mineralização com cálcio-fósforo e formação da matriz de colágeno.

No entanto, foram descobertos receptores de vitamina D em a maioria de tecidos e células normais e tumorais (no músculo, coração, cérebro, vasos sanguíneos, mama, cólon, próstata, pâncreas, pele e sistema imune)

Níveis recomendados de Vitamina D

Ainda não há um acordo por parte das diferentes sociedades científicas a respeito da ingestão diária recomendada.

Esta varia em função da idade e, em geral, recomendam-se entre 400 e 1000 UI (10-25mcg/d) por dia para manter uma boa saúde músculo esquelética embora se desconheça ainda se esses números são suficientes para garantir os efeitos benéficos da Vitamina no resto de órgãos.

Situações de risco de deficiência de Vitamina D

  • Insuficiência renal ou hepática
  • Problemas de malabsorción intestinal (doença de Crohn, fibrose cística, submetidos a cirurgia bariátrica ou radioterapia abdominal)
  • Pacientes em tratamento com corticosteróides, fibratos
  • Tratamento para infecções por fungos, HIV, epilepsia
  • Grávidas, mães em amamentação
  • Idosos
  • Obesidade
  • Pessoas com pele escura, pouca exposição solar…

Deficiência de Vitamina D

O estudo dos níveis de vitamina D é feito através da medição de valores no sangue de Vitamina 25 hidroxi D, que apesar de não ser a forma ativa é o mais estável.

São considerados níveis desejáveis acima de 30 ng/ml.

Em Portugal, apesar de ter um clima propicia os níveis de vitamina D na população são semelhantes ou até inferiores aos descritos na Europa central e Escandinávia apresentando números baixas entre 30 e 87% da população.

A causa mais comum de deficiência de Vit D é a falta de exposição solar associado ao uso de ecrã solares de alta proteção recomendadas para prevenir o câncer de pele.

Sintomas

Se a deficiência de vitamina D é leve não costumam produzir sintomas.

Quando há um déficit franco se põem em marcha mecanismos que têm como resultado final uma perda de densidade óssea ou mineralização defeituosa. Podem ocorrer perturbações ósseas e musculares, aumento do risco de fratura e propensão a quedas em idades mais avançadas.

Tratamento

O tratamento da deficiência de vitamina D é feito através da prescrição de suplementos.

No mercado há várias apresentações de diferentes metabólitos, com variedade de dose, multivitamínicos e associados com cálcio.

Uma vez indicado o tratamento deve ser monitorada números de vitamina D.

Se você precisa de um atendimento personalizado, em Alimmenta você encontrará uma equipe de nutricionistas-nutricionistas, médicos endocrinosy psicólogos especializados em nutrição.

Disfagia: tratamento dietético

Tipos de disfagia e causas

A disfagia não é uma doença em si, mas sim um sintoma de outras doenças. Sua prevalência na população geral é entre 6-9%, mas em idosos, especialmente nos institucionalizados, aumenta até se fixar em torno de 60%. Em termos gerais podemos classificar a disfagia da seguinte forma:

  • De acordo com a origem:a Disfagia motora: por alteração ou os músculos ou as zonas do cérebro que controlam e coordenam a deglutição. Pode ser causada por Alzheimer, Parkinson, esclerose lateral amiotrófica (ELA), acidente vascular cerebral (AVC), etc., Disfagia mecânica ou obstrutiva: dá-se quando existe dificuldade para a passagem dos alimentos por causas como, por exemplo, tumores no rosto ou pescoço ou estreitamento da luz do esôfago, entre outros.
  • De acordo com a área que afectaDisfagia orofaríngea: é a dificuldade para transferir o alimento desde a bucofaringe até o esôfago. As pessoas que sofrem costumam ter salivação humana excessiva, lentidão para iniciar a deglutição, tosse, volta do alimento ao nariz, alterações na fala e é mais habitual que têm dificuldade para ingerir líquidos.A Disfagia esofágica: dá-se quando a dificuldade para engolir é o esôfago e costuma apresentar sensação de obstrução na área superior, à entrada do estômago ou dor torácica e costuma ser mais comum do que se apresentem dificuldade para ingerir sólidos.

De acordo com o tipo de disfagia que padezcamos e a causa da mesma, podemos ter dificuldade para engolir sólidos, para engolir líquidos ou para engolir ambos. Na maioria dos casos o tratamento deve ser personalizado e tratar-se de um âmbito multidisciplinar, incluindo diferentes profissionais de saúde, como nutricionistas, fonoaudiólogos e médicos.

Sintomas e sinais

Há certos sintomas ou sinais clínicos que podem fazer-nos pensar que uma pessoa pode ter a disfagia e a que devemos estar atentos, sobretudo com os mais velhos da família:

  • Presença de tosse ou obstrução na garganta frequente depois de comer ou beber.
  • Mudanças na qualidade da voz (voz aguda, rouquidão, etc.)
  • Dificuldades respiratórias ou na fala postingesta.
  • Dificuldades para controlar as secreções salivares ou o bolo alimentar da cavidade oral e babando frequente.
  • Atragantamientos frequentes.
  • Enlentecimiento do tempo dedicado à comida.
  • Frequentes infecções respiratórias ou febre sem causa aparente.
  • Desinteresse por comer ou rejeição a alimentos, que antes se faziam de forma habitual, por medo de asfixia.

Consequências

Pode ser que se pense que a disfagia pode ser chateado só na hora de ingerir o alimento, mas vai mais além da simples incômodo e que pode ter consequências graves, como:

  • Atragantamientos graves.
  • Infecções respiratórias recorrentes e / ou graves, pela passagem do alimento para as vias respiratórias.
  • Desnutrição ou desidratação causada pelo medo de beber ou comer aqueles alimentos que nos causam problemas e que podem limitar a dieta gerando perda de peso e fraqueza muscular.

Medidas gerais

Para melhorar os sintomas da disfagia e evitar as complicações associadas, podemos tomar uma série de medidas durante as refeições e após elas.

Durante a refeição

  • Há que procurar um ambiente sem distrações enquanto se come. É melhor que se centre na comida e menos a televisão ou a rádio. Também deve evitar falar enquanto se come.
  • A pessoa que sofre de disfagia deve comer com as costas retas e o mais esticado possível.
  • Sempre que engula o alimento e tentar colocar a cabeça inclinada para baixo, para evitar que o alimento passe para as vias aéreas. Pode ser que a piada (vídeo educativo indicar alguma outra posição mais específica a que terei de fazer cada vez que você coma ou beba.
  • Se você precisa de ajuda para comer, a pessoa que está ajudando a ser colocado à altura de seus olhos ou por baixo, para evitar que levante a cabeça ao engolir.
  • O tempo dedicado à comida tende a enlentecerse e, portanto, deve-se dar o tempo adequado para a pessoa que está comendo, mas não é adequado prolongar a comida por mais de 30 minutos e parar de se a pessoa está cansada.
  • É aconselhável que a pessoa que sofre de disfagia coma acompanhada por se ocorrer algum atragantamiento. Se isso acontecer, não se devem ingerir líquidos. O ideal é inclinar-se para frente e tosse. Uma vez que você tenha parado a tosse, se deve engolir várias vezes para retirar os restos de alimentos e beber água ou líquidos adaptados a textura correta.
  • Você deve dar de comer pequenos volumes, assim, que, se for necessário, você pode usar uma colher de sobremesa e vigiar que foi engolido todo o alimento antes de introduzir a outra colher.
  • Recomenda-Se não usar canudos ou seringas já que a colher apoiada sobre a base da língua estimula a deglutição.

Após as refeições

  • Não deitar-se até ter passado 30 ou 60 minutos após a refeição para evitar que a comida suba para cima e possa aspirarse e passar para as vias aéreas.
  • Não deixar restos de comida e manter uma boa higiene bucal.

Medidas nutricionais

As medidas nutricionais têm que ser destinadas a obter o correto aporte hídrico, energético e de nutrientes. Para eles, temos de procurar o volume, a textura e a temperatura adequada dos alimentos e ter em conta que a pessoa também devem desfrutar da comida, pelo que há que cuidar também a aparência e textura dos mesmos.

  • Fazer várias refeições e de pequenos volumes.
  • Fazer refeições nutritivas e uma vez que, geralmente, não aceitam grandes pratos.
  • Evitar alimentos que podem ser de difícil manuseio na hora de engolir:Alimentos pegajosos, como o chocolate, o mel, os doces ou banana.Alimentos fibrosos, como aspargo, abacaxi ou a alcachofra.Alimentos com sementes, espinhos ou ossos.Alimentos de casal texturas, ou seja, que ao ser masticados libertam um líquido, como a laranja, as ameixas, a sopa de macarrão, pães molhados no leite, alimentos sólidos com molhos líquidos, etc. Alimentos muito secos que ao ser masticados possam sair pela boca e ser difíceis de lidar, como o pão ou os frutos secos.
  • O médico ou a piada (vídeo educativo indicar-nos-á a consistência adequada dos alimentos, que pode variar com o tempo, e seguindo essas dicas, temos que:Adaptar a consistência dos sólidos, que, dependendo do tipo de disfagia pode ir desde triturados homogêneas a dieta mole, ou seja, alimentos inteiros de fácil mastigação.Adaptar a consistência dos líquidos ou purés, tal como nos tenha indicado. A consistência depende da viscosidade dos alimentos e costuma variar entre líquido, mel, néctar ou pudim. Esta se pode obter com espessantes comerciais que nos ajudarão a dar a textura adequada.

Diferenças alimentares entre mulheres e homens atletas

Neste mês de Junho, Vanessa Rus e Sara Martinez, nutricionistas-nutricionistas esportivos, publicou um artigo no último número da revista Sport Life sobre as diferenças que há na alimentação de mulheres e homens atletas. Embora a base da alimentação em ambos os casos é semelhante, as pequenas diferenças existentes aumentam ao praticar esporte e exigir uma maior energia e outros nutrientes específicos.

Nutrição e desempenho esportivo

A nutrição é um fator determinante do sucesso no desempenho desportivo. Assim, existem dois pontos-chave para a alimentação de todo atleta: cobrir suas necessidades energéticas e planejamento para as diversas refeições ao longo do dia, tendo em conta, também, os horários de treino.

As necessidades energéticas não dependem apenas do sexo do atleta, desde que há mais fatores que entram em jogo: o peso, o tamanho, a idade, o índice metabólico ou taxa metabólica basal, bem como o tipo, a freqüência, a intensidade e duração do treino ou prática esportiva.

É importante ter em conta que os atletas de elite que realizem treinamentos de longa duração, como, por exemplo, fazer vários exercícios em um mesmo dia, o gasto calórico pode chegar a atingir entre 150 a 200 kcal/kg (chegando a ultrapassar os 45 kcal/kg de peso corporal ao dia recomendadas), ou seja, cerca de 7.500 a 10.000 kcal em algumas competições. Como é de se esperar, o ritmo acelerado do dia-a-dia, compromete-se o consumo de alimentos em intervalos regulares. Isto leva a que muitas vezes a ingestão que realizam os atletas é inferior ao que deveriam, e muitas vezes não se traduz em uma diminuição do peso corporal. Isto se deve a que o corpo, ao receber uma ingestão menor do que a necessária, reduz seu gasto calórico em repouso, com o fim de manter o seu peso. No entanto, não significa que esteja recebendo as calorias necessárias.

Além disso, de acordo com vários estudos realizados com atletas tem-se observado que depois de um esforço físico ou treinamento, muitas vezes, a fome diminui. Por isso, é importante ter em conta que, na ocasião, para uma nutrição ideal, você deve comer sem ter aquela sensação de fome. Especificamente, um estudo realizado com atletas femininas (Souza e Cols, 2004), mostrou uma longa trajetória de ingestão deficitária em hidratos de carbono e energia. Esta situação põe em perigo o sistema imunológico e a capacidade reprodutiva, entre outras implicações, tal como se explica mais adiante a tríade do atleta.

Principais Nutrientes como fonte de energia

O tipo e intensidade de exercício físico realizado determinará os requisitos dos diferentes macronutrientes (carboidratos, gorduras e proteínas), em função das vias metabólicas utilizadas durante o exercício.

Não obstante, com base no percentual de energia aportado por cada um dos diferentes macronutrientes, são os hidratos de carbono os principais, seguidos de gordura e, por último, as proteínas.

  • Hidratos de carbono devem ser a principal fonte de energia para o atleta, representando em torno de 50-60% do aporte energético total. As principais fontes são: cereais (arroz, quinoa, aveia…) e seus derivados, a batata, o pão e as frutas. Em função do desporto praticado os requerimentos serão maiores ou menores. Por exemplo: em planos de exercício moderado em que a duração seja de 1 h por dia, aproximadamente, a dieta deve fornecer entre 5 e 7 g/kg peso corporal/dia, enquanto que em esportes de resistência aeróbica, em que os treinos representem entre 1h e 3h a uma intensidade moderada-alta, a contribuição deve aumentar até 7-12g/kg peso corporal/dia. Enquanto que no caso de praticar exercícios extremos de moderada – alta intensidade e longa duração (>4-5h), como por exemplo, a Titan Desert a contribuição varia ao 10-12 g/kg peso/dia.
  • Gorduras: deverão levar em torno de 25-30% do aporte calórico total. É recomendável priorizar as gorduras monoinsaturadas e poli-insaturadas, pelo seu poder anti-inflamatório e de prevenção cardiovascular. Estas são encontrados principalmente em peixes gordos, óleo de oliva, abacate, sementes de abóbora, girassol ou de linho, e os frutos secos como as nozes. Tanto em homens como em mulheres, deve-se garantir um aporte mínimo de gordura para um bom funcionamento metabólico e hormonal.
  • Proteínas: é imprescindível que sejam de alto valor biológico para garantir uma boa recuperação muscular. As proteínas devem fornecer em torno de 10 a 25% do aporte energético total diário. As fontes principais são: os ovos, a carne, o peixe, o leite e seus derivados. Também são fontes ricas em proteínas, alimentos de origem vegetal como as leguminosas, frutos secos e derivados da soja como o tempeh, tofu ou soja texturizada.

Os fatores que influenciam as necessidades protéicas dos atletas são a idade, o sexo, a massa magra, o nível de condicionamento físico, a rotina e a fase de treinamento. Assim, as necessidades proteicas dos homens tendem a ser superiores às das mulheres devido a apresentar maior percentual de massa muscular. Em referência ao tipo de exercício, para os atletas de resistência, recomenda-se entre 1,2 a 1,4 g/Kg peso corporal/dia, enquanto que para os treinos de potência aumentam as necessidades de 1,2-1,7 g/kg peso corporal/dia. Podendo aumentar até 2g/kg peso corporal/dia.

O que acontece com a regra?

Outra das situações fisiológicas que têm as mulheres, diferentemente dos homens, é o ciclo menstrual. A menstruação não é uma contra-indicação para a hora de praticar esporte, mas sim deveis ter em conta que ao longo do ciclo menstrual das mulheres sofrem mudanças hormonais, que afetam o desempenho esportivo. Portanto, depende da fase hormonal que estejais, a forma de treinar e alimentarte, bem como os resultados serão diferentes.

A Fase Folicular compreende des do dia 1 ao 14 após a menstruação. Nesta fase ocorre: uma maior sensibilidade à insulina (com o qual se procedem melhor os hidratos de carbono) e uma maior utilização de glicogênio para obter energia. Além disso, o metabolismo cai. Ao utilizar mais glicogênio (para a obtenção da energia de que precisamos na prática de esporte), e, menos gordura, será imprescindível a ingestão de carboidratos suficientes.

A Fase denominada terapia de reposição hormonal (ovulação), vai des do dia 14 ao 28 após a menstruação. Nesta fase, em contrapartida, ocorre um leve aumento no metabolismo, se perde a sensibilidade à insulina e aumenta o uso de gordura para fornecer energia ao corpo.

Nos dias de menstruação, aumenta a nossa Frequência Cardíaca, Temperatura corporal e a pressão arterial. A perda de sangue e conseqüente perda de hemoglobina, que provoca uma diminuição da capacidade do corpo na hora de transportar oxigênio para os músculos. Portanto, diminuem as possibilidades de trabalho do organismo, bem que nesses dias é recomendável não realizar exercícios que nos levem a elevados consumos de oxigênio. Além disso, você pode sentir maior fadiga e irritabilidade. Por tudo isso, esta será a semana de realizar uma atividade mais suave, dependendo sempre do caso particular de cada uma e suas limitações. É conveniente não deixar o exercício, já que este produz a libertação de determinadas endorfinas que nos ajudarão a reduzir as dores causadas pela menstruação, bem como a manter um bom humor e gasto calórico.

Nos dias anteriores à menstruação, no final da fase lútea, aumentam os desejos. Isso ocorre porque caem os níveis de estrogênio e progesterona. Se você passa, não pense que você é um caso isolado, acontece à maioria. Para estes momentos, tentar não sucumbir à tentação. Você pode comer frutas (as que são mais doces são uma boa opção) ou biscotes com algum alimento proteico (peru, presunto cozido, nozes, queijo fresco…), isso lhe dará a sensação de saciedade. Não se pular nenhuma refeição, tenta comer a cada 3 horas, assim não dá tempo para que apareça a fome. Em momentos em que precisar acalmar a ansiedade com um alimento mais doce, pode optar pelo chocolate com um percentual elevado de cacau, já que-te-á uma maior quantidade de antioxidantes em comparação ao resto de variedades.

Necessidades nutricionais especiais em mulheres atletas

As mulheres têm necessidades diferentes dos homens também o que há a de acordo com o que a vitamina e mineral. Hoje, falaremos de três deles: o Ferro, o Cálcio e o Ácido Fólico.

O ferro

O ferro é um dos elementos mais abundantes no corpo e é essencial para a realização de diversas funções biológicas.

O ferro desempenha um papel fundamental no transporte de oxigênio, já que é necessário para a formação da hemoglobina, a proteína de transporte de oxigênio, que é crítica para a capacidade aeróbica. Também é necessário para a função ótima de muitas enzimas oxidativas que afetam o metabolismo intracelular.

Existem evidências que sugerem que o exercício afeta os níveis de ferro e vice-versa, um baixo nível de ferro pode afetar negativamente o desempenho físico.

As mulheres de 19 a 50 anos de idade têm uma quantidade diária recomendada de ferro de 18 mg/dia. Na mulher atleta estas recomendações podem aumentar a 30 mg/dia, devido às perdas do mineral através da transpiração, as micro lesões que geram o exercício físico e a eliminação de sangue a nível intestinal (especialmente em mulheres que praticam esportes de fundo).

Quais são as fontes alimentares de ferro? De origem animal: carne vermelha (vaca, cavalo ou boi), gema de ovo, frutos do mar, aves e produtos de miudezas (rim, fígado…). De origem vegetal: cereais integrais, os legumes, as verduras de folha verde-escura (grelos, couve, folhas de beterraba, espinafre…), os frutos secos, fruta seca, as sementes (especialmente as de abóbora) e os produtos fortificados como alguns cereais de pequeno-almoço ou algumas bebidas vegetais. O ferro animal, é absorvido muito mais que o ferro vegetal.

As dietas vegetarianas mal planejadas, o esporte de fundo, e a menstruação, são fatores de risco das mulheres para desenvolver uma deficiência de ferro (anemia ferropénica), por isso, se você está em um ou mais destes grupos, toma consciência do ferro que consome.

O cálcio

O cálcio é o mineral mais abundante do organismo. Aproximadamente 1% do cálcio corporal será utilizado na contração muscular, enquanto que 99% se encontra em nossos ossos e dentes. Ou seja, o cálcio é um dos principais minerais responsáveis por manter a densidade do osso. Na idade adulta começa a perder-se a força dos ossos, processo que se acelera a mulher ao reduzir os níveis de estrogênio (hormônio que participa no metabolismo ósseo). As atletas com grandes cargas de treinamento e irregularidades menstruais (se traduzem em baixos níveis de estrogénio) devem prestar uma atenção especial ao aporte de cálcio., já que o desgaste dos ossos pode causar o chamado “fraturas de estresse”.

Os requerimentos de cálcio em adultos são de 800-1000 mg/dia, podendo aumentar em até 1.500 mg/dia em mulheres atletas, já que a atividade física aumenta a massa óssea e o conteúdo mineral.

Por tudo isso, a sua alimentação deve conter alimentos ricos em Cálcio, tais como: laticínios (leite, queijo, iogurte), bebidas vegetais ricas em Cálcio, marisco, peixe, nozes, sementes, legumes, cereais integrais enriquecidos, alguns legumes (brócolis, repolho, couve, folhas de repolho, alho-porro).

Nota! Não se esqueça de vitamina D, já que esta vitamina lipossolúvel ajuda a fixar o cálcio nos ossos. Suas fontes alimentares são: o peixe, os ovos, laticínios integrais, bebidas vegetais enriquecidos com manteiga. Mas, acima de tudo, garante uma correta exposição ao sol sem proteção solar, de 20 minutos, no mínimo, 3 vezes por semana.

O Ácido Fólico

O Ácido Fólico (vitamina B9) é um nutriente essencial para o organismo, especialmente por ser usado no corpo para: colaborar na regeneração muscular (criação de células vermelhas do sangue) em produzir e manter a estrutura do DNA, e também para prevenir o aparecimento de doenças como a anemia.

Em atletas, o ácido fólico tem um papel muito importante para reparar e fazer crescer as células musculares, resultando em um componente importante para alcançar um ótimo desempenho esportivo. Além disso, pode atuar como um potente agente antioxidante e combate os danos causados pelos radicais livres que são gerados no corpo de um atleta.

A quantidade diária recomendada de ácido fólico é de 200 mcg, sendo para os atletas, uma dose que pode oscilar entre os 800 e 1200 mg ao dia. O ácido fólico não pode ser sintetizado no corpo, para que a sua obtenção deve ser realizada através de fontes dietéticas. Quais são essas fontes? Os legumes de folha verde, legumes, nozes, sementes de girassol, abacate, cereais fortificados, gema de ovo, peixe branco e azul, peixe, marisco e produtos de miudezas.

IMPORTANTE! Embora os requerimentos de alguns minerais e vitaminas estão aumentados em mulheres atletas, ao ter recebido também as necessidades energéticas, isso facilita cobrir os requerimentos. Ou seja, ao comer mais, já conterá, também, mais macro e micronutrientes, desde que seja uma ingestão bem planejada.

Como evitar a tríade da atleta?

Algumas meninas que fazem esporte ou exercício físico de forma intensa, estão expostos a sofrer de um distúrbio conhecido como “tríade da atleta” (também conhecido como “tríade da atleta”). Esta situação afeta as mulheres e é uma combinação dos três seguintes doenças: doenças do comportamento alimentar, amenorréia e osteoporose. Um atleta pode ter um, dois ou os três componentes da tríade. Sem tratamento, e de acordo com que idade acontece, as consequências podem ser muito graves e irreversíveis, como a perda de força dos ossos, danos em órgãos devido à falta de nutrientes, perda excessiva de peso, ausência ou irregularidade na menstruação, fadiga, fraturas por estresse…

Para evitar este problema, é muito importante ingerir a quantidade suficiente de calorias para fazer frente às demandas de energia que envolve a prática esportiva que executam. Seguir uma dieta equilibrada, ter hábitos alimentares saudáveis e fazer exercício de forma moderada, são essenciais. Lembre-se que uma alimentação adequada permite otimizar o rendimento físico e contribui para melhorar os resultados desportivos. Nunca fazer uma dieta muito restritiva pode se beneficiar, uma baixa disponibilidade energética influencia negativamente na saúde óssea de atletas, quer directamente, quer por um desequilíbrio hormonal em situação de amenorréia.